O ArteAzul-Atelier no início

A Atelier e as suas primeiras páginas na internet

Como referimos já, o ArteAzul-Atelier começou a publicar as fotos de alguns trabalhos na internet, em servidores gratuitos, onde as nossas imagens apareciam ao lado de banners publicitários sem qualquer relação com os conteúdos que editávamos. Hoje em dia, isso não acontece, sendo a publicidade, normalmente direcionada para os interesses dos utilizadores que, especificamente a Google e os seus chamados algoritmos implementam nas páginas web, transformando simples páginas em sites mais apelativos com caminhos para conteúdos relacionados.
No início do século, esta dinâmica não existia. Por isso, a procura de servidores gratuitos mas sem publicidade era um trabalho constante e exaustivo.
Aparece então, em dado tempo, em Portugal, um servidor gratuito, funcional, onde podíamos inserir conteúdos – textos e imagens. Um servidor ou parte dele administrado pelo Terravista, projeto do governo português, mais concretamente ligado ao Ministério da Cultura, que colocou ao dispor muito do seu espaço em linha, por forma a qualquer interessado ter a possibilidade de construir o seu próprio site e colocá-lo disponível na rede, sem qualquer interferência de publicidade. É verdade! Este projeto do Ministério da Cultura, não sabemos as razões, logo desistiu do empreendimento e os internautas viram-se de repente a braços com a procura de novos caminhos. O ArteAzul-Atelier começou inclusivamente a investir em servidores que mantinham alguma acessibilidade com baixos custos e assim ainda hoje continua.
Curiosamente, e numa procura breve, encontrámos o sítio Terravista, que existe hoje como portal informativo, agora não tendo nada a ver com o Terravista do Ministério da Cultura.

Comentários

Os mais lidos